O calendário de leilões de eletricidade começa a promover renováveis. Ontem, o Governo detalhou em despacho ministerial, submetido a audiência pública, que serão atribuídos quase 20 gigawatts (GW) até 2025, o que representa quase 80% do objetivo espanhol previsto no Plano Nacional Integrado para Energia e Clima (PNIEC) para o mesmo período.

“A primeira licitação será realizada em dezembro por 3.100 megawatts”

A energia fotovoltaica será a tecnologia dominante, com um volume mínimo acumulado de 10 GW a ser leiloado nos próximos seis anos, seguida da eólica, com cerca de 8,5 GW; termelétrica solar, com 500 MW; biomassa, com 380 MW, e outros 60 MW destinados a outras tecnologias como biogás, hidráulica ou maremoto, entre outras.

Assim, o ritmo dos leilões estima uma média anual mínima a colocar em funcionamento de cerca de 1.800 MW fotovoltaicos até 2025, cerca de 1.500 MW de energia eólica, cerca de 100 MW de energia solar termoelétrica e cerca de 80 MW de biomassa.

Há três anos que não se realizam licitações deste tipo em Espanha. Com as novas regras do Governo Socialista (os prêmios desaparecem, mas é definido um valor específico para cada tecnologia), o processo terá início em dezembro próximo, quando serão concedidos 3.100 megawatts (MW), dos quais pelo menos 1.000 MW irão para a energia eólica, outros 1.000 MW para a fotovoltaica e cerca de 80 MW para a biomassa.

No processo, serão exigidas garantias de 60.000 euros por MW e estabelecidas as condições de geração de emprego ou de impacto económico no território.

Da mesma forma, o pedido permitirá a convocação de leilões de instalações renováveis ​​constituídas por uma ou mais tecnologias (hibridização), permitindo o armazenamento desde que seja utilizado para gerir a energia produzida pela própria instalação.

Fontes do Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico, liderado por Teresa Ribera, explicaram ontem “que é muito cedo para calcular o quanto a entrada de mais energias renováveis ​​no sistema elétrico pode afetar o preço da eletricidade”.

Em linha com as dúvidas que têm sido geradas entre as grandes empresas de energia elétrica com este novo modelo de leilão, as mesmas fontes destacam que “os leilões são a melhor forma de promover as renováveis, pois representam um dos mecanismos mais relevantes para aumentar e diversificar o mercado de geração em Espanha e para incorporar mais concorrência ”.

O produto a ser leiloado será a potência instalada e os participantes licitarão o preço que estão dispostos a cobrar pela energia gerada na instalação.

Cada chamada será especificada por meio de resolução da Secretaria de Estado da Energia, que detalhará as regras que serão aplicadas em cada leilão.

Do ministério destacam que o objetivo é atrair investimentos para a Espanha e que os investidores percebam segurança jurídica e estabilidade regulatória nos próximos anos.